Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Julho, 2012

Destaque

Tic...tac...

Sabe quando no meio do dia você lembra de algo de muito tempo atrás...  é como se alguém apertasse o botão do pause e, embora a vida segue, o silêncio soa mais alto.  Sabe quando esta lembrança te paralisa de forma tão imediata que, tudo, absolutamente tudo perde o sentido repentinamente.... Sabe quando seus olhos se inundam, te falta o ar, some sua voz... assim no meio do dia, ou em uma noite vazia e tudo aquilo que você faz questão de deixar adormecido explode dentro de você.  A foto na estante é tão vazia que você não consegue olhar pra ela e todas as lembranças do que foi e do que poderia ter sido explodem em um caleidoscópio em sua mente...  Você não consegue mais olhar as fotos...  e as lágrimas caem pesadas dos seus olhos porque você não consegue as conter.  E você lembra e relembra  e cada nota da canção que insiste em tocar é o tom da voz que não sabe mais como ouvir... E você lembra...  perdendo todos os seus passos sem rumo em um horizonte que n

Por Respostas

Porque você me deixou tão de repente?   E a saudade me consome lentamente E você se foi Agora estou aqui perdida Sem você ao meu lado E eu queria Como eu queria ter você outra vez nos meus braços Sem você tudo fica em tons sombrios de cinza Sem sua voz as canções não são mais as mesmas E não passam de ecos repetindo a mesma historia Porque você não esperou pelo abraço? E não quis ver de novo o por do sol? Porque você se foi tão de repente Meu amor Eu iria cantar uma canção para você Ia te dar os versos mais bonitos Mas   Você se foi... Sem ao menos se despedir de mim! Porque você não volta aqui? Queria saber onde você está E se teus olhos ainda brilham ao me encontrar Eu queria teu abraço Teu carinho Queria que você estivesse aqui   Para que pudéssemos sentar na beira da estrada e contar estrelas Ou brincar de roda nas noites frias... E porque você se foi Diz-me apenas Porque não quis mais ficar aqui? (Escrito em 17.4.2010)

Sensações

Sem Vida

E todos os sons de repente se tornam vazios sem vozes nem melodias canções mortas que um dia disseram algo... E todas as ruas se tornam sombrias estradas desertas que conduzem sempre ao mesmo horizonte mórbido... E já não há flores nos jardins mesmo em primavera já não há vida por aqui... Tudo continua em seu devido lugar mas meus olhos se tornaram cinzas de mais para enxergar a vida sem você...

Dejavu

Eu fechei meus olhos enquanto a água morna do chuveiro caia sobre meus cabelos, fiquei por um tempo que me pareceu longo de mais apenas sentindo aquele frescor (quase frio) tentando de alguma forma "imbecil" que a água penetrasse em minha mente e bagunçasse alguns pensamentos. Inútil! Quanto mais eu me dedicava a esquecer, as lembranças afloravam como jardins em primavera, trazendo momentos tão vivos que, temi abri os olhos e ver que na verdade não estava apenas trancada sob o chuveiro. De repente uma canção passa a fazer parte da cena, continuo com os olhos fechados, temendo perder algum detalhe... mergulho naquela sensação de voltar ao passado, como se eu pudesse ver todas as formas e sombras, toda a cena de um momento se passa em minha mente como se meu espírito estivesse desprendido de meu corpo e simplesmente voltasse àquele instante. Era como se eu estivesse observando tudo de fora.  Sentia a água escorrendo por meu corpo. Sentia o frio de estar inerte, mas não ousei a