Pular para o conteúdo principal

Comer, Rezar, Amar

Elizabeth Gilbert foi feliz em relatar uma experiência pessoal, ocorrida após o seu divórcio, de foma esplêndida. A autora de Comer, Rezar, Amar se aventurou em uma viagem, que durou exatamente um ano, passeando por três países europeus. Em cada um desses países, Liz (como é tratada no livro) pode compactuar com aprendizados para uma vida toda, fez amigos e conheceu pessoas realmente marcante. 
Comer, Rezar, Amar é uma história real, emocionante e feliz, apesar dos contratempos. Ainda, a escritora conseguiu colocar um toque de impessoalidade na história, o que permite que várias mulheres, ao longo da leitura, se identifique com o enredo.
Após sentir-se sufocada com seu casamento, em um momento qualquer, Liz pede o divórcio ao seu marido que, diga-se de passagem, não gostou nada da história. Pouco tempo depois, a mesma se envolveu com um garoto mais jovem. sedenta por aventuras, não percebeu o quanto os relacionamentos dela a afetavam e faziam-na perder a própria personalidade. Depois de passado o período do encanto, o relacionamento com o novo rapaz também caiu na rotina, o que fez com que Liz, talvez desesperada, resolvesse largar sua vida toda para trás em busca de um equilíbrio espiritual. 
A primeira parada foi na bela Itália. 
Liz, sempre neurada com os padrões de medidas americanos aprendeu o prazer de "comer". Em pouco tempo no país, ela fez amigos que sempre a acompanhava nas massa, pizzas e cappuccino. Na Itália Liz se desprendeu de "amores", apesar de conhecer rapazes que lhe despertou desejos, manteve o foco, aprendeu italiano, visitou todas as pizzarias e todas as casas de massas que pode. A experiência que ela passa na história aguça a vontade de conhecer o país, mostrando sua beleza e a hospitalidade do povo italiano, com aquele dialeto lindo e cativante. 
A segunda parte foi na polêmica Índia.
Antes de ler o livro, pensei que quando se falou em Índia, a pequena Liz iria se deliciar na parte "rica" do país. Claro, quem não queria conhecem a famosa Dubai, com seus prédios luxuosos e praias particulares? Mas a realidade é que Liz foi para a parte "miserável" do país, em uma espécie de "retiro espiritual". Ela precisava trabalhar e passava a maior parte do tempo enfiada em um templo, aprendendo e tomando lições com sua Guru. Definitivamente, eu jamais iria para a Índia (a não ser para Dubai, é claro). No relato da autora, ela deixou claro o incomodo do calor e dos pernilongos, a miséria e a necessidade de sempre buscar sua própria sobrevivência. Uma das coisas que achei interessante é o lado religioso/cultural expressado no texto. Somente quem quer, realmente, encontrar-se com seu lado oculto sobreviveria a tantas provas, como o voto do silêncio. Também na Índia, Liz conheceu pessoas interessantes que, com certeza, somou em suas experiências. 
A terceira, e última, parte foi na intrigante Indonésia.
Bali é outra cidade de extremos. Ou se é extremamente rico, ou extremamente pobre. Também é o local onde se há mais chacras por metro quadrado. As formas descritas no livro mostra paisagens lindas e exóticas que causa certo interesse. A intensão de Liz, ao chegar na Indonésia, era um período de meditação principalmente depois do que aprendeu na Índia. Conheceu um xamã super simpático que a ajudava em suas meditações e na elevação espiritual. Creio que, olhando pelo lado pessoal, aqui foi onde ela mais aprendeu. O que me chamou a atenção é que, no inicio do livro, Liz parecia uma daquelas patricinhas, egoístas e momentas, que não sabem o que querem da vida e, nesta última parte, Liz já era uma mulher, solidária, apesar de ainda ter inseguranças, podia-se tomar suas próprias decisões. Na Indonésia ela conheceu um brasileiro por quem se apaixonou e o livro termina com um lendário "feliz para sempre". 
Particularmente, gostei do livro. Apesar de, em algumas partes o achar delongado demais. A autora tentou não perder nenhum detalhe deixando a leitura um pouco cansativa, em outras partes "era puro êxtase". Interessante é que em muitos momentos da narrativa Elizabeth menciona, de forma negativa, seu marido. Como se os oito anos que viveram casados ele nunca ter feito coisas boas e fosse o culpado do divórcio. O que percebi é que a autora tinha problemas íntimos que não a permitia, de fato, ter um relacionamento. Me identifiquei em muitas partes do livro, em outras simplesmente quis bater nessa mimada Liz.
O livro foi um best-siller, com mais de 4 milhões de cópias vendidas. O auge do sucesso foi depois da linda Júlia Roberts interpretar Liz, nos cinemas. Isso aguçou a curiosidade para os detalhes da história, com certeza. 

Comentários

  1. Este eu vi o filme.
    Não gosto muito do Bradem, mas da Júlia sou fã.
    Preciso ler o livro para comparar.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Todos os comentários são de responsabilidade individual e não representam a opinião da autora do blog.

Postagens mais visitadas deste blog

Cinema: Estreias Imperdíveis de 2014

Por: Carol Turck Não faz tanto tempo que o ano de 2014 começou e mesmo assim já temos uma lista enorme de excelentes filmes que já estrearam nos cinemas este ano, como O Lobo de Wall Street, A Menina que Roubava Livros, Trapaça e diversos outros. Mas como ainda temos vários meses pela frente, também ainda temos várias estreias imperdíveis para não nos fazer desgrudar da poltrona do cinema este ano. Confira abaixo alguns dos filmes mais aguardados e que você não pode perder: O Espetacular Homem-Aranha 2: A Ameaça de Electro (The Amazing Spider-Man 2) A sequência do herói Homem-Aranha irá rechear a tela de vilões: Jamie Foxx será o principal deles, no papel de Electro, mas também Paul Giamatti, Dane DeHaan e Chris Cooper darão vida a Rhino, Duende Verde e Norman Osborn, respectivamente. A estreia será em 2 de maio. Godzilla O famoso lagarto gigante japonês está de volta ao cinema neste remake norte-americano. O elenco trará o premiado ator Brya

Top 10 - Guitarristas e suas Guitarras

Nenhum outro instrumento musical tem o poder de enlouquecer a cabeça de jovens quanto a guitarra. Aprimorada por Les Paul em 1940, quando criou um sistema de bobinas capaz de captar o som das cordas em um corpo sólido de madeira, a guitarra encontrou no rock n’ roll seu maior gênero e, desde os anos 1950, tem criado lendas do estilo e também do instrumento. Guitarristas como Jimi Hendrix, Tony Iommi, Jimmy Page, Eddie Van Halen, entre outros, eternizaram suas guitarras, fazendo marcas e modelos virarem verdadeiros ícones do rock, não só pela guitarra em si, mas pelo que foram, e alguns ainda são, capazes de fazer com elas. Dentre esses, escolhi os dez melhores guitarristas que, na minha opinião, são as melhores lendas do rock, junto com sua guitarra: 1º Jimi Hendrix 2º Edie Van Halen 3º Angus Young 4º Jimmy Page 5º Joe Satriane 6º Eric Clapton 7º  Steve Vai 8º Keith Richards 9º Les Paul 10º Kirk Hammet É claro que escolher ape

Continuum - Série (Ficção Científica)

Se tem algo que vira mania fácil fácil é seguir uma série na TV. Quando o assunto é interessante, logo nos pegamos inebriados por seu conteúdo e fuçando a internet, até chegar o dia da exibição do próximo capítulo, para procurar deduções à respeito. Quem é como eu, que não gosta de "baixar" os capítulos para assistir, e prefere aguardar as exibições legais (nada contra quem baixa), sabe do que estou falando. É quase uma tortura a ansiedade. No último dia 15, sexta feira, estreou no Canal Space , a série Continuum, que possui grande potencial para se tornar um sucesso imediato. A série canadense, que aborda o tema de ficção científica, foi produzida pela Reunion Pictures Inc. e está na 2ª temporada originalmente, no entanto, para o Brasil, estreou com elevada pontuação de IBOPE, somente este mês. A trama discorre sobre um grupo de terroristas do ano 2077 que, através da alta tecnologia, escapam da execução viajando no tempo para o ano de 2012. Acidentalmente, uma oficial da le