Pular para o conteúdo principal

Porque o Rock Faz a Minha Cabeça

Como disse no post anterior, decidi fazer uma comparação entre os hits mais tocados do momento de funk e de rock nacional. Para criar essa postagem tentei ser o mais imparcial possível, analisando as músicas criticamente, apenas nos quesitos de linguística e cultura. Portanto, não se trata de uma expressão de gostos.

Vale abrir um parentese que, apesar de roqueira nata, desde minha primeira infância, devo admitir que o rock nacional está em um de seus piores momento. Acredito que a mídia que cresceu em torno da música causou um aquecimento negativo ao mercado, fazendo com que muitos cantores deixem a magia de uma canção em prol do dinheiro que pode-se ganhar com ela. Vemos isso na miscigenação de estilos e na corrida desenfreada de todo mundo querer agradar a todo mundo.


Bom, mas vamos à música... em pesquisas em comunidades e fóruns de rock nacional, percebi que os gostos das pessoas está em volta de basicamente três canções: "Tudo está parado", Jota Quest, "Céu Azul", Charlie Brown Júnior e "O lado escuro da Lua", Capital Inicial. Descartei "Céu Azul" pelo fato do Chorão ter falecido recentemente e isso influencia bastante na escolha das pessoas. Direcionado a pesquisa apenas entre "Tudo está parado" e "O lado escuro da lua", 76% das pessoas preferiram "O lado escuro da lua".

Sempre tem alguma coisa errada
Às vezes o que sobra é o que nos falta
Algo que não vemos, não sentimos
Tudo que não temos, mas nos fingimos
Eu quase fiz o que eu queria
Eu quase tive algo que eu podia
De novo esse quase, esse sempre, esse nada
Comigo nessa longa e tortuosa estrada

Correndo como um louco
Falta sempre muito pouco
Pra se perder a razão
De olhos fechados
No meio da sua rua
Sonhando acordado
No lado escuro da lua
De olhos fechados
No meio da sua rua
Sonhando acordado
No lado escuro da lua

Copo meio cheio, copo meio vazio
O corpo só esquenta quando o ar é frio
Não quero me lembrar que não faz sentido
Nem me arrepender de não ter vivido
A vida é longa, a vida é curta
Quando todos falam e ninguém me escuta
Cegos que não sabem para onde vão
Aqui está mais um nessa multidão

Eu tinha sede, me deram gasolina
Não peço nada, me dão menos ainda
Acho que não entendi direito
A perfeição do imperfeito
Eu me queixo
Eu me arrependo
Eu me revolto
Eu me rendo
Querendo o que não podia ter sido
Ser feito de aço e não de vidro

A música foi escrita usando rimas frias (que rimam apenas pela fonética) ora rimando um verso com seu subsequente, ora rimando com o terceiro verso. Esse é um estilo muito usado, inclusive por grandes poetas como Carlos Drummond, Manuel Bandeira, Fernando Pessoa e outros. Essa escolha literária dá um ritmo exclusivista ao texto, impessoal, o que torna uma leitura suave sem se preocupar com as terminações verbais e sim com o efeito da pronuncia da palavra.
O texto da canção segue uma linha exata, fala do mesmo assunto do inicio ao fim, expressando uma ideia centrada ao seu conteúdo. A poesia exala um sentimento comum, que pode servir à qualquer ser humano, deixando de lado a pessoalidade e levando o contexto da canção a popularidade. Isso causa uma aproximação com o público, porque não se trata (ainda que seja) de uma manifestação única de sentimento, mas de algo que se enquadra nos sentimentos comuns da população.
Nota-se que o autor, no mínimo, tem um conhecimento mínimo de linguagem e gramática, ostentando um texto padronizado e de compreensão facilitada, isso não prova maior inteligência, mas maior coerência e uso de conhecimentos, afinal, uma musica escrita somente a cunho "cultural" como o funk, pode agradar a alguns, mas uma musica bem escrita cativa, independente do ritmo muitos, principalmente por sua poesia.
Concluindo, não é só o ritmo que faz a diferença no rock, mas a cultura em si. A diferença do público que curte funk para o que curte rock, não é só um estilo ou gosto, mas se reflete claramente na estrutura das composições de cada um. Claro, existe sim algumas letras de funk que são bem escrita, que tem uma estrutura fonética e gramatical muito boa, assim como há músicas de rock escrotas sem nenhum conteúdo, mas essas são exceções à regra.
O funk afronta minha inteligência.

Comentários

  1. Concordo plenamente com a afirmação "O funk afronta minha inteligência".

    ResponderExcluir
  2. O funk está em todo canto, impregnou e o pior é que não escutam baixo, colocam bem alto pra todos ouvirem, e as letras estão cada vez mais ridículas.

    ResponderExcluir
  3. Concordo com você. Acho o Rock superior, tanto pelas letras e a musicalidade que se encontra no Rock. O Funk, respeito, mas não faz minha cabeça! Falando em Rock, gostaria de lhe convidar a ver meu novo artigo em meu blog falando sobre as bandas de Rock que já passaram pelo seriado Simpsons! http://biblioteca-global.blogspot.com.br/2013/07/bandas-de-rock-que-ja-passaram-pelos.html

    ResponderExcluir
  4. Concordo! Concordo! O rock faz minha cabeça e o funk afronta minha inteligência!

    ResponderExcluir
  5. Concordo também! a maioria dos rocks são muito bons, Led zepellin, pink floyd e the cure são bandas que me fazem viajar : D

    Obrigado pela visita no meu blog : )
    Pode voltar mais vezes sempre que quiser!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Todos os comentários são de responsabilidade individual e não representam a opinião da autora do blog.

Postagens mais visitadas deste blog

Cinema: Estreias Imperdíveis de 2014

Por: Carol Turck Não faz tanto tempo que o ano de 2014 começou e mesmo assim já temos uma lista enorme de excelentes filmes que já estrearam nos cinemas este ano, como O Lobo de Wall Street, A Menina que Roubava Livros, Trapaça e diversos outros. Mas como ainda temos vários meses pela frente, também ainda temos várias estreias imperdíveis para não nos fazer desgrudar da poltrona do cinema este ano. Confira abaixo alguns dos filmes mais aguardados e que você não pode perder: O Espetacular Homem-Aranha 2: A Ameaça de Electro (The Amazing Spider-Man 2) A sequência do herói Homem-Aranha irá rechear a tela de vilões: Jamie Foxx será o principal deles, no papel de Electro, mas também Paul Giamatti, Dane DeHaan e Chris Cooper darão vida a Rhino, Duende Verde e Norman Osborn, respectivamente. A estreia será em 2 de maio. Godzilla O famoso lagarto gigante japonês está de volta ao cinema neste remake norte-americano. O elenco trará o premiado ator Brya

Top 10 - Guitarristas e suas Guitarras

Nenhum outro instrumento musical tem o poder de enlouquecer a cabeça de jovens quanto a guitarra. Aprimorada por Les Paul em 1940, quando criou um sistema de bobinas capaz de captar o som das cordas em um corpo sólido de madeira, a guitarra encontrou no rock n’ roll seu maior gênero e, desde os anos 1950, tem criado lendas do estilo e também do instrumento. Guitarristas como Jimi Hendrix, Tony Iommi, Jimmy Page, Eddie Van Halen, entre outros, eternizaram suas guitarras, fazendo marcas e modelos virarem verdadeiros ícones do rock, não só pela guitarra em si, mas pelo que foram, e alguns ainda são, capazes de fazer com elas. Dentre esses, escolhi os dez melhores guitarristas que, na minha opinião, são as melhores lendas do rock, junto com sua guitarra: 1º Jimi Hendrix 2º Edie Van Halen 3º Angus Young 4º Jimmy Page 5º Joe Satriane 6º Eric Clapton 7º  Steve Vai 8º Keith Richards 9º Les Paul 10º Kirk Hammet É claro que escolher ape

Continuum - Série (Ficção Científica)

Se tem algo que vira mania fácil fácil é seguir uma série na TV. Quando o assunto é interessante, logo nos pegamos inebriados por seu conteúdo e fuçando a internet, até chegar o dia da exibição do próximo capítulo, para procurar deduções à respeito. Quem é como eu, que não gosta de "baixar" os capítulos para assistir, e prefere aguardar as exibições legais (nada contra quem baixa), sabe do que estou falando. É quase uma tortura a ansiedade. No último dia 15, sexta feira, estreou no Canal Space , a série Continuum, que possui grande potencial para se tornar um sucesso imediato. A série canadense, que aborda o tema de ficção científica, foi produzida pela Reunion Pictures Inc. e está na 2ª temporada originalmente, no entanto, para o Brasil, estreou com elevada pontuação de IBOPE, somente este mês. A trama discorre sobre um grupo de terroristas do ano 2077 que, através da alta tecnologia, escapam da execução viajando no tempo para o ano de 2012. Acidentalmente, uma oficial da le