Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Janeiro, 2011

Ilusão

Aqui jaz apenas o silêncio mórbido em suas asas secretas banhadas a solidão. O pensamento se perde no crepúsculo, mais um dia está morrendo e no horizonte faz chuva. Mais uma noite vem nascendo, mais um tormento se aproximando. Das sombras eles começam a sair, com seus cânticos sombrios e suas vozes amarguradas E o silencio é mais doente... É só mais uma noite, penso, já passei por tantas, Mas cada uma que nasce, parece desejar a minha morte, sempre parece a última E é como se apenas eu pudesse vê-los, como se estivessem aqui só por mim... É estranho, realmente é estranho... E quando olho para o horizonte, agora sem forma e se misturando ao escuro do céu Sinto meu espírito implorando para ir embora, Todos os meus esforços são em vão. E um sussurro avisa que será sempre assim, caso eu não saiba Será sempre ilusão

Apenas Silêncios

Em profundo silêncio que rege os abismos da alma e dilacera o coração dentro do peito... Silêncio profundo que me encanta que me seduz ao desconhecido e me aprisiona a sentimentos dispersos... Silêncio que fere que corta a voz do vento e que do vento se apodera. Silêncio que machuca que se perde nos encantos e me deixa sem palavras... E hoje estou apenas em silêncio pelos sonhos que não sonharei mais...

Flores

Faz tempo que não escrevo. Meu espírito não quer brincar com as palavras, parece adormecido os sentimentos dentro do peito. Sinto-me relativamente bem, mas algo está estranho. É como se eu precisasse das palavras para sobreviver e, de repente elas desaparecem de mim. As coisas estão meio sem sentido. Coloco uma canção suave, daquelas cheias de lembranças, e começo a pensar. Ouço minha própria voz, desafinada, entoando alguns acordes e isso não tem mais sentindo. Aliás, pouca coisa tem. O silêncio é quase impregnante em mim, mas os sussurros da madrugada quebram o gelo, sinto a brisa morna do meu hálito, desejo a companhia que já não posso encontrar. Meus olhos estão molhados de saudade e meu corpo não obedece mais aos comandos. Tudo o que faço é me deitar de costas, olhando as estrelas mascaradas por algumas nuvens, ouvindo ao longe, em murmúrios uma canção triste e os ecos da noite solitária. Eu sei que tudo isso vai passar. Mas existe uma dor dentro de mim que é inconstante. Sinto fa

Poemas

"Eu e meus poemas estamos em silêncio. A inspiração desapareceu. Os papéis em branco, estão em prantos. Sobre a mesa jaz a pena, sem vida... Rascunhos antigos denunciam, que ela já teve seus momentos de glória. Isso é passado, hoje a poesia está de luto." (Sandra Ribeiro)

Tempo

A noite está tão quente que quando uma brisa sopra traz o gosto da saudade. Essa lua indecentemente linda me faz querer teu olhar e meu corpo brinda com as estrelas no encanto que me faz sentir você. Quero teus lábios em minha boca, e encontrar o teu olhar... Quero tuas mãos em meu corpo e sentir você sob meu toque. E eu não sei se é a magia da lua ou se é essa brisa envolvente... talvez seja os enigmas da noite, mas eu sinto você tão perto que o desejo chega a doer em mim e tua voz fere docemente meus ouvidos. Se eu fechar meus olhos, meus pensamentos te encontram e a gente caminha de mãos entrelaçadas naquela estrada em que plantaste flores, é só fechar os olhos e amar você no mesmo jardim que semeaste em meu caminho. E assim sentir essa saudade que me consome na esperança desse silêncio se perder no vento, encantar o tempo e trazer você logo pra mim...

Tatuagem

Por mais que eu tente explicar, parece que as pessoas não querem entender. Eu me pergunto: “Por que não pode haver uma amizade real e sincera entre um homem e uma mulher?” As mentes das pessoas rodam em torno dessa pergunta e, não encontram a resposta por não olharem para dentro de si. Todos estão incautos em sua própria arrogância e esquecem-se dos princípios básicos, da verdadeira essência de nós mesmos. Sim, estamos perdidos num lamaçal de desespero e preconceitos que inebriam a razão, a liberdade e os sonhos humanos. Todo mundo quis saber por que eu quis tatuar o nome dele em meu corpo, todo mundo aguçou suas mentes a perguntar “quem é ele?”, mas ninguém estava disposto a acreditar na resposta, a única resposta, que eu tinha para dar. “Foi a única pessoa que amei na minha vida, meu único amigo”... Esta é uma resposta sutil de mais, que não satisfaz o ensejo curioso dos seres opróbrios que me cercam, que tentam me prender. Quando eu fecho os olhos eu ainda posso sentir o olhar doce

Suspiros

... E que meu recanto não seja mais que uma promessa que sem a lua em seu encanto, se dispersa Com desatino, que esse abraço me acompanhe ao semear essas sementes não se acanhe. Ouça o hino que se enlaça em um vazio deixe os vestígios de suas palavras, que me alforrio se o teu canto houver o perfume da liberdade de um passado que ouso a dizer, sinto saudade. E tua voz que docemente resgata e domina com palavras que, calmamente, poesia inspira é a distância que trás o sentido desse encanto gracejando na mente o desejo de mais um encontro. Pois minha alma insiste em ouvir esses ecos nos cantos tristes dessa cidade que se espanta quebrando os suspiros com o alento que me suplanta e atordoam o desejo de um olhar nas canções e poesias a admirar E mesmo que com doces versos a solidão se distrai os ventos trazem os ecos de um momento que não se vai.

O Que Há Nas Canções

Nós passávamos horas e horas analisando as músicas do disco novo. Era uma época que discordar um do outro era a diversão. Íamos ao shopping e começava a "briga": Qual CD levar?... Acabávamos comprando sempre mais do que iríamos levar e, no fim das contas, todo mundo gostava de tudo. Tínhamos nossas bandas preferidas e comprávamos alguns álbuns pela capa mesmo. Nesse ponto, devo admitir que ele sempre escolhesse melhor. Numa dessas compras adquirimos o disco "10.000 Destinos" do Engenheiros do Hawaii... Bem, a banda era boa e tal, mas nem tanto, mas esse disco entrou para a história, a nossa história... Depois de comprado os discos e eu ter passado na Leitura para adquirir alguns livros também (o que desencadeava outra discussão, mas essa é outra história) íamos embora, no ônibus lotação, compartilhando o fone dos antigos diskman e analisando minuciosamente os encartes dos discos. Era divertido quando passávamos a dizer que uma banda era melhor que outra enquanto as

Era Uma Vez

Era uma vez... A falta que eu sinto de alguns anos atrás desperta saudades. Tudo era tão simples e tão normal que parecia vivo, mas só agora que o tempo passou que percebo que aquela simplicidade era cativante. Hoje a tecnologia modernizou os sentimentos, até para pensar basta alguns cliques. Não sinto mais o cheiro de terra molhada pela chuva fina que vinha apagar a poeira das ruas. Os terrenos baldios que viravam campinhos pra molecada jogar bola, hoje estão cheios de construções gigantescas e frias. Na primavera são poucos ipês que florescem e o horizonte é feito de concreto. Ah! Eu tenho saudade de acordar bem cedinho e ir para o colégio e de matar aula com amigos pra jogar cartas no corredor da escola. Sinto falta da emoção de comprar um CD da minha banda preferida e mostrar empolgada a coleção de figurinhas da copa. Era bom escreve poemas com letras borradas pelo perfume que jogava no papel, andar quilômetros para encontrar um amigo, correr no orelhão só para marcar um encontro..

Um Dia de Chuva

O cheiro de poeira exala pela casa, assim que as primeiras gotas de chuva começam a cair sobre a terra fofa do quintal. Olhava pela janela o enegrecer do dia e a transformação que a tempestade causava, é adorávamos olhar a chuva pela janela até que esta nos expulsava violentamente obrigando-nos a ficarmos trancados em casa. As trovoadas e os relampângos impediam de ligar a tv ou qualquer outro aparelho, quase sempre a energia sofria picos intensos quando armava esses temporais. Era intediante ficar dentro de casa sem fazer nada, enquanto a natueza se deliciava nas águas que jorravam lá fora, em um som de agradecimento. A idéia surgiu nos olhares cúmplices que se encontravam transmitindo o mesmo pensamento. A enxurrada lá fora corria morro abaixo lavando da rua as marcas de um dia quente, e as brincadeiras que seguiram... ninguém percebeu nossa intenção quando habilmente dobravámos folhas do jornal encontrado sob as lenhas, e tranformava tudo em pequenos barcos de papel. Continuávamos e

Versos "Quase" de Amor

Respiro teu cheiro no ar e em meu corpo. A sensação de cada toque de cada olhar desperta saudades antigas. A lua me inspira poesia e o vento frio tenso instiga lembranças vazias. Esse perfume que vem de você me leva àquele lugar especial de sonhos e verdades. Seu olhar me inspira fantasias... Faz tempo que não vejo uma noite tão linda Faz tempo que não observo as estrelas... E esse perfume em meu corpo me faz querer o vento me faz parar no tempo. As palavras surgem na noite bombardeando minha mente... Você não sai dos meus pensamentos não sai das minhas mãos e insiste em ficar repetidamente em meu corpo. Essas canções imitam sua voz. Tinha algo mais a dizer mas prefiro fechar os olhos e sentir o teu perfume que o vento espalha pela noite!

Meus Ecos

E a noite é mais vazia... Caminho pelas ruas sombrias da cidade não há nada nem ninguém nesta estrada só os ecos da noite mórbida que voltam e me instigam um desespero quieto e lento. E só existem lembranças perdidas que passeiam pela noite, na cidade adormecida. E eis que os olhos se inundam nos pensamentos... Poderia ter sido diferente a noite poderia estar mais quente, mas agora é o vento que sopra e a brisa tem um perfume do que já foi que me impacta no silêncio que se perde. É tão real que posso sentir a presença enquanto observo o vazio dos ecos... Já não é a solidão que domina e as palavras com peso do nunca revelam momentos dispersos que agora só existe na mente inquieta... Momentos que não passam e que não voltam...

Ecos

"Meu caminho se traduz em aporte ao vale dos sonhos Problemas e decepções já não me nublam o horizonte Minha vida se esculpe em águas insanas Grotões, quedas, corredeiras, rios Suas entranças não me fazem chorar Deságuam num mar inocente de vagas rebeldes Ecos de um amor perfeito Arco-íris de sonhos que o cio anuncia Por fendas penetram em meus pensamentos Por gotas, neblina, fecundam minh’alma E deslizam a nau onde está meu amor às entranhas de meu coração Tão intensa é a força de minha paixão Rubras se tornam revoltas no pulsar de meus rios internos E jorram, inundam, irrigam meu coração declarado Excitado por chamas insípidas Termas de luz que encharcam meu mundo E matam a sede que me consumia Nem mil sóis evaporam suas caldas No máximo as levam até a lua ingênua Onde repousam no Mar da Tranqüilidade Ou desabam sonoras no Oceano de Tormentas E ecoam até o mais infinito dos céus Tão louco que é este meu novo grande amor" (Luís Henrique - origina