Pular para o conteúdo principal

Utopia

O vento invade pela janela, junto com as notas das canções. Posso ouvir daqui o burburinho do movimento das pessoas e vejo o zigue-zague estonteante, com os mesmos rostos, caminhando na única rua, sem direção. Estou em meu quarto, aquele sórdido e vazio, em que num canto está assentada, sombria e vacilantemente, a solidão. Imagino a cena que já não faço parte, de repente as coisas mudam e o que sinto é o sentimento de repulsa por essas atitudes, sobrepondo o desejo de estar no meio daquelas pessoas. Eu queria me sentir alguém normal, que fecha os olhos para as circunstâncias e é capaz de se divertir, zombar da vida com sorrisos enferrujados nos lábios, mas não, essa não sou eu! E não conseguiria fingir sarcasticamente que seria isso que preencheria meu vazio.
De repente, silêncio...
Detenho-me por alguns minutos (ou seriam horas?) em meu livro, especialmente em uma frase “depois de desvendar uma ilusão de óptica, você nunca mais deixará de vê-la”. O impacto dessa frase é imediato e irreversível. Há algum tempo eu percebi que não fazia mais parte desse elenco tudo o que sempre quis foi nadar contra a corrente, na contramão da sociedade. Sim, literalmente eu sempre fui “do contra”, muitas vezes pelo simples desejo de “contrariar as estatísticas”, e todas as vezes que me vi seguindo pela direção “certa”, eu sentia esse mesmo aperto, quase lírico, em meu peito. Algo está queimando e consumindo toda razão que vem pela frente, levando àquele desespero quieto, que quase salta os olhos. Eu desejei veementemente ir ao show, eu planejei tudo, a roupa, o sapato, os acessórios, o perfume, a companhia, os assuntos... Idealizei cada detalhe, instintivamente para burlar minha obsessão, pelo improvável, enquanto a solidão continuava inerte no seu canto, me olhando com seus olhos frios e sedentos. Ela não iria tentar me impedir? Ela não deveria me agarrar pelos punhos e me dizer para não ir? Não seria essa a ordem natural das coisas e, depois eu diria simplesmente que venci? Então porque a solidão não cumpriu sua parte no acordo e me fez gritar? Porque ela continua implacável me deixando fazer exatamente o que eu quiser, permanecendo mórbida e silenciosa naquele canto?
Eu começo a engasgar com a utopia, depois de dias destilando meu veneno contra as áureas da minha vida e, por mais que eu force o sorriso, eu me lembro daquela imagem nua no ermo do meu quarto. Demoro um pouco mais diante do espelho, tentando reconhecer os olhos que vejo ali e, tudo que consigo enxergar é um traço de dor e o vazio que teima em permanecer. Observo quantas pessoas eu procurei ter por companhia essa noite e, percebo que todos não passariam de fantoches que eu iria manipular, mas nenhum deles iriam satisfazer meus anseios mais profundos. E quando eu olho a solidão amuada em seu canto, ela reflete o desespero que minha alma busca compreender, ela me faz ver que não importava que eu saísse, era pra lá que eu iria voltar, inconseqüentemente vazia, ou talvez trazendo a solidão de outra pessoa...
Eu tomo um banho frio, ainda ouvindo as músicas que dançam na brisa quente, e ainda posso sentir os sorrisos, quase sempre falsos, dos fantoches. Me desfaço e deito-me no escuro, pensando se a atitude certa seria mesmo desistir. Olho para o lado, apenas para ter certeza que a solidão estaria lá e com seu sorriso irônico ela me diz “eu sempre venço você, isso está perdendo a diversão”. E não sei se me sinto confusa, atordoada de mais para absorver a realidade dessas palavras, mas tudo o que pude dizer soou apenas como “eu não sei se ainda quero vencer você”...

Comentários

  1. Aquela conversinha de "esse texto descreve exatamente o que sou, como me sinto" é um insistente clichê. Por que será? Será que somos tão iguais assim ou será que nos ligamos às pessoas que captam nossos sentimentos?
    Não sei se é utopia, mas sinto que sinto você e absorvo sua dor e sofro junto, porque te amo

    ResponderExcluir
  2. Adorei o blog, sorte a minha ter acessado um blog tão intenso...de todos os posts este me chamou mais a atenção...tem mais a ver comigo mas os outros também são muito bons, parabéns...já estou seguindo, também escrevo alguns devaneios, se vc puder me seguir também ficaria feliz...abraço!
    www.paullolenore.blogspot.com

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Todos os comentários são de responsabilidade individual e não representam a opinião da autora do blog.

Postagens mais visitadas deste blog

Cinema: Estreias Imperdíveis de 2014

Por: Carol Turck Não faz tanto tempo que o ano de 2014 começou e mesmo assim já temos uma lista enorme de excelentes filmes que já estrearam nos cinemas este ano, como O Lobo de Wall Street, A Menina que Roubava Livros, Trapaça e diversos outros. Mas como ainda temos vários meses pela frente, também ainda temos várias estreias imperdíveis para não nos fazer desgrudar da poltrona do cinema este ano. Confira abaixo alguns dos filmes mais aguardados e que você não pode perder: O Espetacular Homem-Aranha 2: A Ameaça de Electro (The Amazing Spider-Man 2) A sequência do herói Homem-Aranha irá rechear a tela de vilões: Jamie Foxx será o principal deles, no papel de Electro, mas também Paul Giamatti, Dane DeHaan e Chris Cooper darão vida a Rhino, Duende Verde e Norman Osborn, respectivamente. A estreia será em 2 de maio. Godzilla O famoso lagarto gigante japonês está de volta ao cinema neste remake norte-americano. O elenco trará o premiado ator Brya

Top 10 - Guitarristas e suas Guitarras

Nenhum outro instrumento musical tem o poder de enlouquecer a cabeça de jovens quanto a guitarra. Aprimorada por Les Paul em 1940, quando criou um sistema de bobinas capaz de captar o som das cordas em um corpo sólido de madeira, a guitarra encontrou no rock n’ roll seu maior gênero e, desde os anos 1950, tem criado lendas do estilo e também do instrumento. Guitarristas como Jimi Hendrix, Tony Iommi, Jimmy Page, Eddie Van Halen, entre outros, eternizaram suas guitarras, fazendo marcas e modelos virarem verdadeiros ícones do rock, não só pela guitarra em si, mas pelo que foram, e alguns ainda são, capazes de fazer com elas. Dentre esses, escolhi os dez melhores guitarristas que, na minha opinião, são as melhores lendas do rock, junto com sua guitarra: 1º Jimi Hendrix 2º Edie Van Halen 3º Angus Young 4º Jimmy Page 5º Joe Satriane 6º Eric Clapton 7º  Steve Vai 8º Keith Richards 9º Les Paul 10º Kirk Hammet É claro que escolher ape

Continuum - Série (Ficção Científica)

Se tem algo que vira mania fácil fácil é seguir uma série na TV. Quando o assunto é interessante, logo nos pegamos inebriados por seu conteúdo e fuçando a internet, até chegar o dia da exibição do próximo capítulo, para procurar deduções à respeito. Quem é como eu, que não gosta de "baixar" os capítulos para assistir, e prefere aguardar as exibições legais (nada contra quem baixa), sabe do que estou falando. É quase uma tortura a ansiedade. No último dia 15, sexta feira, estreou no Canal Space , a série Continuum, que possui grande potencial para se tornar um sucesso imediato. A série canadense, que aborda o tema de ficção científica, foi produzida pela Reunion Pictures Inc. e está na 2ª temporada originalmente, no entanto, para o Brasil, estreou com elevada pontuação de IBOPE, somente este mês. A trama discorre sobre um grupo de terroristas do ano 2077 que, através da alta tecnologia, escapam da execução viajando no tempo para o ano de 2012. Acidentalmente, uma oficial da le